Universo feminino é contemplado em livro de poeta paraense

'O Folhetim das Sánchez (do luar às fores)', ficção que reflete a realidade de muitas mulheres do mundo real, é o quarto livro de João Bosco Maia. O lançamento será nesta sexta-feira (5), às 18h, no Café com Arte. O evento tem a presença de Amarílis Tupiassú, autora do prefácio da obra.

 

Mergulhar nas dores, desejos e sonhos que povoam o universo feminino. Provar o dom da vida e a superação que as mulheres trazem em sua essência já foi cantado em verso e prosa por muitos: José de Alencar, Machado de Assis, Nelson Rodrigues, Chico Buarque, entre outros. João Bosco Maia, romancista paraense, é um desses escritores que mergulhou no universo feminino para contar a história de Lorena Sánchez, uma prostituta espanhola vendida aos 14 anos e que, aos 23, chega ao Brasil. Nascida em uma família de cortesãs analfabetas: avó, mãe e irmã, três gerações de prostitutas analfabetas, Lorena começa a narrativa aos 80 anos no navio de volta a Espanha e descreve a sua vida e seus relacionamentos com homens e com os livros.

 

Lorena - A história de Lorena Sánchez é contada de forma poética com metáforas preciosas. Para Amarílis Tupiassú 'Ao corporificar-se como Lorena, não importa que ficcionalmente, o faz para sofrer na pele a desventura de mulheres e pôr a nu a crueldade histórica de homens, não de todos, fique bem entendido. A história tem um profundo lirismo com metáforas poéticas', declarou Amarílis.

 

Se transportar para o mundo de Lorena fez com que Bosco convidasse sua esposa, Carla Fagundes, para interagir na construção do romance. 'Carla foi importante no instante em que, à medida que lia os capítulos saídos ao vivo, manifestava seu claro envolvimento com a história e sua narradora. As suas sugestões, que me deram força a escrever, se deram no campo da metáfora, com a emoção de sua leitura e de seus comentários', ressalta.

 

O autor apresenta a essência da personagem: 'Lorena, como tantas outras mulheres lançadas aos fossos da subvida, como diz Amarílis Tupiassú em seu prefácio, é o resultado dessa mesma trilha, amalgamada nas mãos previsíveis da noite crua e da submissão de um homem que, à semelhança de suas avó e mãe, foi conduzida a um leilão de sua virgindade aos catorze anos de idade. Aí ela segue, mas daí emerge com o auxílio das mãos da leitura e de uma colaboração do destino, que a leva de volta à sua pátria natal, a Espanha'.

 

Autor - O escritor João Bosco Mais nasceu na cidade de Marituba, região metropolitana de Belém, é licenciado em Letras pela Universidade Federal do Pará e pós-graduado em Administração Pública (Gestão de Pessoas) pela Universidade Gama Filho. Lecionou literatura e língua portuguesa em escolas públicas e privadas em Belém e em outras cidades do interior. Atualmente, Bosco, é funcionário público, exerce a função de analista do seguro social no INSS, em Santa Izabel.

 

O autor divide a sua produção em literária em duas fases: 'engatinhar literário' e 'fase adulta'. O primeiro ciclo se inicia antes de entrar na universidade e culmina na entrega do trabalho de conclusão de curso de Letras, com o romance Clareira. O segundo começa com a publicação do romance 'Olhai por nós' (2006), e dois outros dois livros: 'Memórias quase póstumas de um ex-torturador' (obra que deu ao escritor o prêmio de literatura do IAP em 2006) e 'As cartas anônimas de Robledo' (2008).

 

João Bosco disponibiliza suas obras para download em seu blog (joaoboscomaia.blogspot.com). De acordo com o ramancista, o objetivo é atrair o público para a literatura, facilitar o acesso ao livro e ao prazer de ler. 'Além de divulgar o meu trabalho, acredito que esse é um dos principais benefícios da internet: a interação com um número cada vez mais expressivo de pessoas que gostam de ler', declara.

 

Serviço: Lançamento do livro 'O Folhetim das Sánchez (do luar às fores)', de João Bosco Maia. No dia 5 de março, às 18h, no Café com Arte.

Redação Portal ORM