Edição:ANO XIII - Nº 5.074 Belém, Domingo, 23/11/2014   
Busca
ok
GERAIS
Noticias
ESPORTE
Notícias
POLÍCIA
Notícias
SHOW
Noticias
COLUNAS
Abner Luiz
Adenirson Lage
Braz Chucre
Christian Emanoel
Gran Monde
Guilherme Tadeu
Hamilton Gualberto
Pé na Estrada
Polícia & Justiça
Xaxu
Sergio Noronha
PLURAL
Gastronomia
Notícias
Pílulas
CONTATO
Fale Conosco
SERVIÇOS
Assinaturas
Cidades
Justiça liberta detidos em operação que apura irregularidades na Alepa

Edição de 25/04/2011
Tamanho do Texto

Estão em liberdade as quatro pessoas detidas na última terça-feira, durante a operação da Polícia Civil e Ministério Público Estadual, que apura denúncias de irregularidades na Assembleia Legislativa do Estado do Pará. Semmel Charone Palmeira, chefe da Casa Civil da Presidência na gestão de Domingos Juvenil, Daura Irene Xavier Hage, funcionária do Departamento Financeiro da Casa, Euzilene Maria Lima Araújo, da seção da Folha de Pagamento, e Jorge Moisés Caddah, diretor do Centro de Processamento de Dados do Poder Legislativo, foram soltos no início da madrugada de ontem, confirmou a Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe).

Um dos promotores que apuram o caso, Arnaldo Azevedo, explica que a prisão temporária tinha duração de cinco dias, a contar da data da detenção, e o Ministério Público não encontrou motivos para solicitar à Justiça a prorrogação do prazo. "Na verdade, a prisão temporária foi expedida com a finalidade de assegurar a prova. Como houve a busca e apreensão dos documentos que trazem uma fartura de informações, não houve mais necessidade de privar as pessoas desse direito de ir e vir", declarou Arnaldo.

Três dos quatro detidos - Semmel, Daura e Euzilene - ficaram presos no Quartel do Corpo de Bombeiros. Jorge Moisés Caddah estava no Batalhão Ambiental da Polícia Militar, no Parque do Utinga. No dia em que os quatro servidores tiveram a prisão preventiva decretada, a Polícia Civil, acompanhada do Ministério Público, também realizou a busca e apreensão de documentos nas dependências da Assembleia Legislativa do Estado e em mais 11 endereços. A operação fazia parte das investigações sobre as denúncias de desvios de recursos públicos durante a gestão de Domingos Juvenil na Casa. Entre as irregularidades cometidas na administração do peemedebistava constam a contratação de funcionários fantasmas, laranjas, supersalários, entre outros. Em entrevista publicada ontem no jornal O LIBERAL, a ex-chefe da seção da folha de pagamento da Casa Mônica Pinto admitiu ter atendido as ordens de Juvenil para incluir na folha da pagamento os servidores fantasmas ou laranjas e gratificações ilegais.

Email: redacao@jornalamazonia.com.br
© Copyright 2004. Todos os direitos reservados ao Amazônia Jornal on line
uma empresa das Organizações Romulo Maiorana